Maracaju é o 14º entre os municípios mais ricos da agricultura

Soja é o principal produto agrícola cultivado em solo maracajuense _ Divulgação
Maracaju Hoje
Sidrolândia (18), Ponta Porã (20), Rio Brilhante (30), Dourados (33) e Costa Rica (41) completam os cinco municípios de MS que integram o “Top 50” do Ministério da Agricultura; Mato Grosso lidera o ranking com Sorriso (MT) e Sapezal e tem mais 20 municípios na lista
O município de Maracaju lidera com folga a lista dos municípios mais ricos de Mato Grosso do Sul quando o assunto é produção agrícola.
Sua condição de maior produtor de grãos do Estado valeu também um bom posicionamento no ranking dos 50 municípios mais ricos da agricultura brasileira, segundo conclusão publicada em uma nota técnica da Coordenação-Geral de Avaliação de Política e Informação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com base em dados da Pesquisa Agrícola Municipal (PAM) e do Produto Interno Bruto (PIB), ambos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Por esse levantamento, Maracaju aparece como o 14º maior produtor de riquezas agrícolas do país, numa lista de 50 municípios que tem como destaque a força do vizinho Mato Grosso que, além de ocupar seis vagas – incluindo o primeiro e o segundo lugares – no “top 10” dos mais ricos, tem nada menos do que 22 municípios entre os 50 mais ricos.
Segundo a nota, os municípios com maior valor da produção agrícola do país têm, em média, uma participação alta de seu Produto Interno Bruto (PIB) agropecuário no PIB total do município. Para os 50 considerados mais ricos em termos de valor da produção, a média da participação do PIB agro no PIB total é de 36,8%, enquanto para o Brasil essa participação foi de 5,4%. A maior parte desses municípios situa-se em Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul e Bahia.
Para Sapezal (MT), líder na produção de algodão, o PIB agro em relação PIB do município é de 54,5%; para São Desiderio (BA), líder do algodão na Bahia, a participação do PIB é de 66,5%. Para Diamantino (MT), é de 54,3%, e em Formosa do Rio Preto, a participação é de 64,0%.
O valor médio da produção dos 50 municípios com maior valor da produção é de R$ 1,521 bilhão. Nesse grupo de munícipios, os maiores valores são observados em Sorriso (MT) R$ 3,946 bilhões, Sapezal (MT) R$ 3,338 bilhões, São Desiderio (BA) R$ 3,183 bilhões, Campo Novo dos Parecis (MT) R$ 3,055 bilhões, Rio Verde (GO) R$ 2,578 bilhões e Cristalina (GO) R$ 3,338 bilhões.
De acordo com a Pesquisa Agrícola Municipal, o valor da produção das principais culturas agrícolas do país atingiu R$ 361 bilhões em 2019, superando em 5,1% o recorde alcançado no ano anterior. O milho, o algodão e a cana-de-açúcar foram os principais produtos que influenciaram esse crescimento.
Segundo o IBGE, dos 50 municípios com maior valor da produção agrícola do País, 22 municípios encontram-se no Mato Grosso, seis em Goiás, seis em Mato Grosso do Sul e seis na Bahia.
Os municípios que lideram a produção de soja e milho, em sua maioria, também aparecem nas primeiras posições de geração de valor do algodão herbáceo. Esses são, caracterizadamente os municípios que também lideram os níveis de produtividade.
Sorriso, em Mato Grosso, é o município brasileiro com maior valor da produção agrícola. Destacando-se na produção de milho e soja, totalizou um valor da produção de R$ 3,9 bilhões e respondeu, sozinho, por 1,1% do total nacional. Além de Sorriso, 21 municípios de Mato Grosso estão no ranking dos maiores valores da produção de 2019. Eles geraram, juntos, R$ 37,1 bilhões. Goiás, Bahia e Mato Grosso do Sul, aparecem com seis municípios cada.
Outras cidades de destaque na produção da soja foram Formosa do Rio Preto e São Desidério, na Bahia. No ano anterior, São Desidério foi a cidade produtora de soja com maior valor da produção no Brasil.
Já Morro Agudo, em São Paulo, se destaca na produção de cana-de-açúcar. O plantio dessa cultura gerou, no município, um valor da produção de R$ 571,7 milhões. Nova Alvorada do Sul, em Mato Grosso do Sul, e Mineiros, em Goiás, também estão entre as cidades que geraram maior valor da produção com esse plantio.
O café, que já foi o principal produto de exportação do país, é um dos destaques de Minas Gerais. Apesar da queda de 21,4% no volume de produção, o estado foi responsável por 70,6% de todo o café arábica do Brasil, atingindo 1,5 milhão de toneladas. Patrocínio, cidade do interior mineiro, liderou o valor da produção do café em grão, com R$ 387,9 milhões, e foi seguida por Rio Bananal e Linhares, ambas no Espírito Santo.
MUNICÍPIOS LÍDERES NO VALOR DA PRODUÇÃO EM 2019: 1. Sorriso (MT); 2.Sapezal (MT); 3. São Desidério (BA); 4. Campo Novo do Parecis (MT); 5. Rio Verde (GO); 6.Cristalina(GO); 7.Jataí (GO); 8. Diamantino (MT); 9. Nova Ubiratã (MT); 10. Nova Mutum (MT); 11. Formosa do Rio Preto (BA); 12. Campo Verde (MT); 13. Primavera do Leste (MT); 14. Maracaju (MS); 15. Petrolina (PE); 16. Lucas do Rio Verde (MT); 17. Campos de Júlio ((MT); 18. Sidrolândia (MS); 19. Barreiras (BA); 20. Ponta Porã (MS); 21. Unaí (MG); 22. Itiquira (MT); 23. Paranatinga (MT); 24. Querência (MT); 25. Itapeva (SP); 26. Mineiros (GO); 26. Canarana (MT); 28. Luis Eduardo Magalhães (BA); 29. Brasnorte (MT); 30. Rio Brilhante (MS); 31. Correntina (BA); 32. Ipiranga do Norte (MT); 33. Dourados (MS); 34. Uberaba (MG); 35. Chapadão do Céu (GO); 36. Tapurah (MT); 37. São Félix do Araguaia (MT); 38. Paracatu (MG); 39. Balsas (MA); 40. Tasso Fragoso (MA); 41. Costa Rica (MS); 42. Porto dos Gaúchos (MT); 43. Baixa Grande do Ribeiro (PI); 44. Brasília (DF); 45. Montividiu (GO); 46. Igarapé-Miri (PA); 47. Sinop (MT); 48. Gaúcha do Norte (MT); 49. Riachão das Neves (BA); 50. Santa Rita do Trivelato (MT).