Coamo completa 50 anos e Maracaju faz parte desta história

Vanessa Bordin
Fundada em 28 de novembro de 1970, um sonho de 79 agricultores de Campo Mourão, no Paraná, a Coamo completa 50 anos em 2020 e se consolida com a marca de maior cooperativa agrícola da América Latina, instalada em 71 municípios do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.
Também em 2020, apesar da pandemia, a Coamo apresenta o “melhor momento da sua história”, como destaca o gerente da unidade de Maracaju, Aristides Anastácio Neto, durante entrevista no último sábado (28), no programa Primeira Hora, da Rádio Cidade. Segundo ele, o planejamento deste ano superou as expectativas e a ideia é de mais crescimento em 2021.
Aristides Anastácio Neto, gerente da unidade Coamo de Maracaju, durante entrevista na Rádio Cidade FM _ Jornal Maracaju Hoje
“A Coamo tem crescido e sendo bem assertiva nas suas decisões. Começamos lá atrás com projetos de suínos, fábrica de álcool e etanol e agora estamos atuando fortemente no segmento de óleo de soja. Temos, hoje, três indústrias em toda Coamo, uma recém-instalada em Dourados, uma em Paranaguá e mais as indústrias de Campo Mourão. Estamos presentes em 56 municípios do Paraná, em nove municípios aqui do Mato Grosso do Sul e em mais seis cidades de Santa Catarina. Só no MS, os nove municípios juntos, são responsáveis por cerca de 30% do faturamento e recebimento de toda Coamo”, destaca Aristides.
O gerente do entreposto de Maracaju ainda complementa que o Mato Grosso do Sul tem mostrado o papel importante que tem para toda a cooperativa, sendo considerado “a menina dos olhos da Coamo e, Maracaju, sem dúvida, é a maior unidade” diz. Aristides afirma que Maracaju contribui com, aproximadamente, 30% da indústria de Dourados. “São em torno de 5 milhões e meio de sacas de soja que Maracaju destina para atender a indústria instalada em Dourados que tem capacidade de industrializar mais de 3 mil e 300 toneladas/dia” frisa.
Esse crescimento substancial das unidades da Cooperativa Coamo, principalmente em Mato Grosso do Sul, reflete o potencial agrícola que o Estado tem e a forte demanda em se tratando do segmento agro nacional.
Em Maracaju, a Coamo completa oito anos de atividades e reúne histórias de muitos cooperados como a de seu Tenório Cavalcanti, o primeiro cooperado da Coamo, vindo do Paraná e que reside no município já há algumas décadas.
Para Aristides Neto, que começou como auxiliar e passou por vários estágios na empresa até receber a oportunidade de se tornar gerente de área, o diferencial da cooperativa é a valorização do cooperado e do funcionário. “Nós entendemos o que o produtor precisa e aqui a gente recebe bem e acolhe bem a todos, valorizando o funcionário também. Eu sou exemplo disso, por isso esses 50 anos da Coamo são motivo de muito orgulho para mim e para todos nós da Coamo” enfatiza o gerente.
Previsões
Para 2021, a Coamo prevê a construção de uma indústria de ração em Campo Mourão, com investimentos de mais de R$ 70 milhões, para atender esse segmento da cooperativa e prevê, ainda, uma indústria de etanol de milho, com investimentos a serem discutidos em assembleia, além da abertura de mais três entrepostos em Mato Grosso do Sul.