Famílias pioneiras do Projeto Hortas Urbanas já comercializam hortaliças

Foto: Saul Schramm

O Projeto Hortas Urbanas desenvolvido pelo Governo do Estado e Prefeitura Municipal de Campo Grande com objetivo de fomentar a agricultura familiar, gerar renda aos pequenos produtores e melhorar os hábitos de consumo das comunidades carentes da Capital, começa a apresentar os primeiros resultados.

“Já estamos vendendo, alface de duas qualidades, crespa e lisa, couve, rúcula, cebolinha e salsa. Logo teremos repolho, berinjela e tomate”. Descreve com orgulho, Rosângela Maria dos Santos, sobre as hortaliças que já estão sendo comercializadas da horta onde ela e outras três famílias se dedicam diariamente a cuidar dos canteiros.

Além do consumo das famílias envolvidas no projeto, hortifrútis já estão sendo comercializados

Rosa, como é conhecida na região do Jardim Centenário onde mora há 24 anos, se orgulha em dar continuidade a horta deixada pelo pai já falecido, e afirma que o suporte técnico e os insumos fornecidos pela Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer) e Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedesc), foram fundamentais nesse processo.

“Para nós isso é muito importante. Sem esse apoio, nós sozinhos não conseguiríamos. Quando veio esse desafio, eu chamei a minha família. Colocamos a mão na massa. Até agora 0% de despesa, apenas o trabalho. A gente já está produzindo, vendendo e tendo uma renda. Estou aprendendo. Pois o primeiro pé de alface que eu arranquei foi um desastre, espatifou tudo. Agora já aprendi tirar com a raiz” conta.

Visita

Na manhã desta quinta-feira (07.11) o secretário especial do Governo do Estado, Carlos Alberto de Assis, a primeira dama do Estado e madrinha do projeto Hortas Urbanas, Fátima Azambuja, acompanhados de técnicos da Agraer e Sedesc, estiveram na Rua Jardim Bonito, n° 104, para uma visita após o primeiro mês de atuação da família no projeto.

“É gratificante ver o desenvolvimento das pessoas e da horta em tão pouco tempo. E não só isso, ver a alegria dessas famílias que tiram daqui alimento de qualidade, e podem comercializar para quem mora nas proximidades. É isso que vale a pena”, declarou Carlos Alberto de Assis.

Secretário Carlos Alberto de Assis e a madrinha do Projeto de Hortas Urbanas, Fátima Azambuja durante visita

A primeira dama do Estado elencou a importância de Estado estar presente nos bairros capacitando as famílias e estimulando o empreendedorismo. “Com apenas 35 dias a horta já produzindo. A Rosa não está dando conta dos pedidos. É bonito de ver as pessoas saindo, comprando levando a verdura fresquinha, e o entusiasmo e alegria de todos que trabalham aqui, é um exemplo a ser seguido. É um prazer muito grande, e muito lindo ver o envolvimento das pessoas no projeto, e o quanto isso faz um bem para a cabeça, para a alma e economicamente, pois ajuda na renda familiar”, destacou Fátima Azambuja.

O Projeto

O projeto de Hortas Urbanas prevê a implantação de 200 hortas urbanas em Campo Grande até o final de 2020. A parceria entre o Governo do Estado e Prefeitura Municipal com recurso federal destinado pelo Deputado Luiz Ovando, prevê o fortalecer as 80 já espalhadas pela cidade atualmente, a implantação de outras 40 até o final deste ano, e outras 100 hortas no próximo ano.

Para Jair Galvão, um dos técnicos responsáveis pelo projeto, os resultados obtidos com a produção de orgânicos nos canteiros do Jardim Centro Oeste, serão repetidos nas demais. “Agora (com a parceria) realmente nós tomamos um rumo certo, e se Deus quiser vamos avançar sempre. Resultado 100% satisfatório. As famílias estão aí envolvidas, participando no dia a dia. Você vê que a horta responde fácil. Se você plantou, adubou e cuidou, sem dúvida vai colher um produto saudável”.

Mireli Obando, Subsecretaria de Comunicação de MS